De cus e cenas culturais ou como Tatuagem é a música de nosso tempo

 photo tatuagem_zpsd7d78214.jpg
No filme “Tatuagem”, o grupo teatral Chão de Estrelas faz referência ao grupo Vivencial Diversiones, que atuou me Recife de 1972 a 1981.

Parece que em tempos de excessos musicais, o cinema assumiu o lugar de ancoragem dos debates culturais cotidianos que infestam os bares de Hellcife. Nessas terras, quem não entra em conflitos com identidades, noções de si, é excluído das navegações pelos cheirosos rios dessa Veneza Brasileira.

Música virou detergente, é fácil de fazer, embalar, botar no carrinho e vender. Necessária mas descartável. Esse cenário parece desglamourizar os dependentes das coleções, dos vinis e demais badulaques musicais que cultivam cenas musicais como se fosse sinônimo qualidade. Isso só parece aumentar a distinção mezzo esnobe, mezzo cult dos frequentadores dos bares centrais da cidade.

Filmes recentes da incensada produção pernambucana como Boa Sorte Meu Amor, Febre do Rato e O Som ao Redor, em meio a uma grande produção que inclui curtas, médias, docudramas, belezas e porcarias, parecem reverberar muito mais nos arrecifes do que a prolixa produção musical atual.

Atestado o fato, fica a nostalgia da força das canções que perfuravam estômagos e circulavam de forma capilar por todos os becos da cidade.

Adoro ir ao cinema, degladiar e deglutir valores sônicos, visuaudíveis; mas como mostram os maneirismos de Febre do Rato que trata do comum, o boêmio que negocia com todos para torna-se mascate de mais um filme para um par de poucos, os “entendidos de cinema”, a intrusão da música faz falta.

Mas em meio a tantos filmes de prédios, tédios, garotas nuas de marca de biquíni deitadas nas camas das boas viagens (cena clássica da recente cinematografia local) um filme parece deslocar-se, afirmar-se por outras vias para além dos clichês dos prédios recifenses: Tatuagem , de Hilton Lacerda.

Não há como evitar o spolier: o conflito do filme está no cu, materializado na relação entre o recruta Fininha (Jesuíta Barbosa) e o líder do grupo de teatro Chão de Estrelas, Clécio Wanderley (Irandhir Santos) e na desdita canção do DJ Dolores (autor da trilha), “Polka do Cu”. Mesmo o quase conflito triangular com a personagem Paulete (Bruno Garcia) se resolve com algo que parece violência aos desavisados: o afeto que perpassa pelo cu. Entre as inúmeras leituras abertas pelo filme está o papel do desbunde tropicalista que possibilita a sobrevivência na época da ditadura ou a sexualidade vivida nos anos setenta (pós-ressaca dos sessenta) que abriu possibilidades de deslocamentos psicodélicos para além do conflito permanente.

Tatuagem é um filme atual com um olhar amoroso sobre o final dos setenta. Ao invés de acionar passadismos e maneirismos, o filme aposta na confluência do design sonoro, da fotografia, da dramaturgia intensa e no conflito que se constrói não pelo enfrentamento, e sim pelo modo de acionar o afeto contra o cansaço ou de um outro que nem aparece: o moralismo pequeno da burguesia descolada do Recife. Que, aliás, nem tem lugar no filme.

Para quem não sabe do tropicalismo local, além da sonoridade e dos cenários, a trupe Chão de Estrelas e o poeta-cinemador Joubert são inspirados no grupo Vivencial e no tropicambucano Jomard Muniz de Britto, que propagavam o atualíssimo refrão “É preciso desaristocratizar a cultura pernambucana”.

Não há conflitos óbvios com as músicas da trilha e sim acionamentos que funcionam como argamassa para a trama do filme: a canção “Volta”, de Johnny Hooker, um dialogismo entre a tradição brega recifense e o glam. Já “Vou Tirar Você da Cara”, interpretada por Feiticeiro Julião, é um hit udigrudi de autoria do bardo Juvenil Silva, atual difuso propagador da novíssima Cena Beto.

Mas o que salta aos olhos e ouvidos é o modo como a psicodelia é desencarnada no filme. Tal como o amor homossexual, ela é tratada como inserida que se confunde com a paisagem audiovisual de uma cidade que é Recife, mas poderia ser Salvador ou mesmo Saquarema nos tempos idos.

Não é dos prédios e cenas que nos sufocam que o filme de Hilton Lacerda trata e sim, de como o cu, esse funicular unissex, fonte de dor e prazer, orgasmo e merda, pode atravessar a necessidade, às vezes esvaziada, do conflito, ou mesmo da demarcação das cenas culturais, musicais e prediais que aninham nossos fundilhos culturais.

Para além da heteronormatividade, da homoafetividade, das cidades, das metalinguagens e das reatividades dos descolados do cinema, dos caras de cus amarrados e mal lavados, Tatuagem é um filme psicodélico por que sua mise-en-scène, não é uma cerca que delimita quem pode ou não entrar ou estar.

Pena que como filme, Tatuagem não possua a capilaridade da música, que pode atestar sua presença sem ser chamada, que invade nossos corpos. Mesmo Tatuagem continua a ser arte de massa para uns poucos dispostos e disponíveis.

Eu sei não se trata de música, e nem poderia ser, mas que de qualquer forma aponta para os modos como um produto cultural pode romper as cercas elitistas, de todos os níveis de descolados e deslocados que insistem em assombrar nossas cenas culturais, sem assumir que antes de todos sons e imagens é preciso ter cu para sentar e assentar as cenas atuais culturais do Recife.

Share Button

Categorias

Jeder Janotti Jr. Escrito por:

Professor do Programa de pós-graduação em Comunicação da UFPE.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.