Tag: rodrigo campos

25 de fevereiro de 2019 /

Sambas Do Absurdo é o resultado do encontro de três artistas centrais na música popular brasileira contemporânea, cada um deles, a seu modo, renovadores da linguagem da canção em nosso país. De modo esquemático, identificarei assim o papel de cada um neste trabalho: o compositor Rodrigo Campos, o produtor Gui Amabis e a intérprete Juçara Marçal. Criadores de muitos recursos, naturalmente seus papéis se cruzam e se misturam ao longo do disco, mas valho-me dessa classificação para melhor elencar as…

4 de agosto de 2016 /

a escrita de rodrigo campos sobre suas próprias canções alarga a experiência da escuta e compreensão da obra para espaços que frequentemente são mais nebulosos ou mesmo íntimos, reclusos no lugar em que habita o processo de criação do artista, ou mesmo dos outros músicos que dialogam com ele. esse movimento reflexivo desdobra numa outra linguagem (a escrita) o ímpeto pela criação. lugares-comuns são quebrados por essa ação. sim, criação e crítica podem andar juntas. a crítica do artista não…

17 de fevereiro de 2016 /

A maldição do samba Ouvindo alguns álbuns dos últimos cinco anos, passa a ser mais perceptível uma abordagem pouco usual no que se refere à estrutura musical no Brasil, à polifonia incrustada na harmonia da canção. A polifonia não é nenhuma novidade na música brasileira diante do leque rítmico que a música tradicional nos traz. O samba, símbolo mor da música nacional, começou cem por cento polifônico. Os instrumentos percussivos, os instrumentos de corda, a voz. Cada elemento figurava uma…

2 de dezembro de 2015 /

por Carlos Gomes. É curioso que um dos heterônimos mais intrigantes de Fernando Pessoa, aquele que escreve no poema “Tabacaria” os versos: “Quando quis tirar a máscara,/ Estava pegada à cara./ Quando a tirei e me vi ao espelho,/ Já tinha envelhecido”, tenha o mesmo sobrenome de nosso entrevistado. Tal coincidência se revela enriquecedora por Pessoa e suas máscaras-personagens, a exemplo da criação de Álvaro de Campos (ou Toshiro, no caso de Rodrigo), ter uma ligação íntima com a poética…

2 de novembro de 2015 /

o artista veste máscaras – edição 9 – bimestral – outubro de 2015 DOWNLOAD GRATUITO AQUI VERSÃO IMPRESSA AQUI Expediente Edição: Júlio Rennó Projeto gráfico: Cécile Duchamp Artistas convidados: Manu Maltez / Ganjarts Jornalista responsável: Marina Suassuna (DRT 5556-PE) Textos: Carlos Gomes, Marina Suassuna e Karol Pacheco Mediação do debate: Fernanda Maia e Carlos Gomes Colaboradores: Bruno Vitorino, Fernando Athayde, Fred Coelho, Gabriel Albuquerque, José Juva e Ruy Gardnier Fotografia: Camila van der Linden Capas: “Sanguínea e carvão”, de Manu…

12 de outubro de 2015 /

por Gabriel Albuquerque. A contemplação do belo, o lirismo e noções de beleza estética são critérios recorrentes na apreciação musical – “que emocionante, que música bonita!”. Caminhando na contramão desse trajeto, uma movimentação recente de músicos e bandas de São Paulo questiona essas noções convencionais, abrindo novas possibilidades para o degastado formato canção. Influenciados pelos vanguardistas da Lira Paulistana do fim da década de 1970 e meados de 1980, como Itamar Assumpção e Arrigo Barnabé, as bandas Metá Metá e…

22 de setembro de 2014 /

Se a costumeira cobertura midiática nos inclina a classificar todo trabalho construído sob uma assinatura de solo – aqui falamos do disco Encarnado (2014), de Juçara Marçal –, a escuta das 12 faixas nos revela uma sonoridade coesa e estilisticamente possível a par de uma intimidade que só o entrosamento de uma banda pode nos dar. O cerne da sonoridade de Encarnado está no encontro de Juçara Marçal (voz), Kiko Dinucci (guitarra) e Rodrigo Campos (guitarra/cavaquinho). Neles, há uma vida…

6 de maio de 2013 /

Passo Torto – Passo Elétrico (2013) Passarinho Esquisito by passotorto Passarinho Esquisito Passarinho esquisito, sabe meu odor Antecipa meu caminho, pousa em minha mão Não tem os olhos de papai, mas tem cara de estuprador Não tem as pernas de mamãe, mas tem medo da solidão Passarinho acuado, usa a minha voz Regurgita a melodia da minha ilusão Não tem o gosto de papai, mas tem jeito homem bom Não faz carinho de mamãe, mas dissimula bem o amor Passarinho,…