Tag: literatura

28 de outubro de 2018 /

O tempo para mim significa esticar os braços o mais distante possível e sentir como cada um dos meus músculos me parte em mil pedaços, ficam dormentes, e deixar que eles apenas se movam e me joguem na cama, e me deixem sozinha, até que acabe o dia. Minha conexão com o mundo me animaliza, meu único semelhante é um cachorro preto, que late toda noite junto a seu prato, por um pouco de comida. Quando estou sozinha deixo que…

2 de fevereiro de 2017 /

No lugar de fazer uma mera adaptação do cinema para a literatura, os cineastas Marcelo Gomes e Karim Aïnouz criaram uma nova obra ao transportar para o papel o conteúdo do filme Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo. O livro homônimo é um objeto dotado de linguagem própria, que combina fotografias (e “frames”), palavras e um projeto gráfico editorial bastante original para transmitir as ideias, sensações e emoções sobre as relações entre afeto, distância e paisagens já expressas no…

20 de dezembro de 2016 /

Durante a infância, por algum motivo eu tinha pânico de seres do outro planeta. Não consigo dar uma definitiva resposta sobre o motivo disto. Talvez tenha sido a influêcia de algum filme, algo impróprio para minha idade. Lembro de ter assistido, na TV, o clássico Alien, de Ridley Scott, quando criança, durante férias da família em uma praia sergipana. Aquilo me apavorou tanto a ponto de um tio-avô meu, que assistia ao filme comigo, me consolar dizendo “isto não é…

3 de novembro de 2016 /

O que existe do Outro Lado, se perguntava o homem barbudo, os pés descalços; o que existe do outro lado da persiana? *             O homem descalço – a partir daqui, seu nome é Bob – arrastava, em suas andanças pela cidade, seus únicos pertences: dois lençóis grossos, uma mochila rasgada com roupas, um sacolão cheio de latas. Sua companhia era uma cachorra, que ele talvez chamasse:             – Balela, balela.             Ou talvez não. É que o homem tinha…

12 de junho de 2015 /

“Ruínas e Cultura” é o tema da edição #7 da revista Outros Críticos, que será lançada na próxima semana. Como parte dos debates sobre o tema, publicamos no site Outros Críticos o artigo “As ruínas do Recife: da cidade do sonho à catástrofe”, da Professora e Pesquisadora Ana Luiza Andrade, da Universidade Federal de Santa Catarina. Download gratuito aqui.  

9 de agosto de 2014 /

por josé juva. É difícil imaginar os percursos, recepções e desdobramentos que os textos tomarão. Muitos gatilhos podem desencadear a escrita. Outros fatores entrarão em jogo para a circulação e fruição, fatores que escapam com mais força das tentativas de orientação por parte do autor. Nunca sabemos aonde um texto vai chegar, o caminho de que olhos cruzará, quais as circunstâncias de sua recepção e leitura. Mas podemos sempre buscar novos inícios, investidas em diálogos possíveis. Os textos reunidos em…

23 de setembro de 2013 /

Em seu romance Um detalhe em H (2013), Fernando Mendonça mescla passado, narrativa, cotidiano, sexualidade e cinema. A vida é como um conta gotas: nada de mais e demais acontece, exceto a vida em si. E ela não é fascinante por ser uma narrativa literária ou por possuir o cunho de obra artística, o fascínio do jovem Hugo pelos detalhes são sua inocência diante da vida, um tipo de infância que sempre teremos: o narrar nossas vidas pelos detalhes aos…

23 de agosto de 2013 /

“Ser um bom feiticeiro significa estar desabrigado no meio da tempestade. É viver a vida em todas as suas fases. Quer dizer ser um louco de vez em quando. Isso também é sagrado.” (CorzoCojo, feiticeiro sioux da tribo lakota) Eis uma excelente imagem capaz de funcionar como gatilho para pensarmos a figura de um curador: um desabrigado no meio da tempestade. Quando Carlos Gomes, editor desta publicação, me convidou para escrever sobre curadoria e literatura, meu primeiro pensamento foi: não…

3 de abril de 2013 /

Do que nos falam os mortos, quando nos visitam? É a pergunta que se faz, do alto dos seus 82 anos, o marquês de la Tour-Samuel, personagem do conto “Uma aparição”, escrito por Guy de Maupassant e publicado em 1883. Em sua juventude, nosso marquês encontra, na cidade de Rouen, um amigo de infância. Mal o reconhece: o amigo, embora jovem, está com os cabelos todos brancos e anda encurvado. O que houve? Seu amigo “apaixonara-se loucamente por uma moça”;…