Tag: graxa

22 de setembro de 2016 /

Se um dia a música pôde ser reproduzida e distribuída em grande escala foi graças às tecnologias que permitiram a sua materialização em fonograma e posteriormente em disco. Fruto da conjunção entre a produção dos artistas e as possibilidades de tecnologias, o disco transformou a circulação da música no mundo e a maneira como ela chegava ao público. Ao longo do século 20, seus parâmetros foram sendo determinados e transformados conforme a tecnologia de gravação foi se desenvolvendo, começando pelos…

11 de fevereiro de 2015 /

por Raquel Monteath. Lá no início da década de 1990, o vinil fez sua mochila e saiu para passear. Deu uma voltinha por aí, achou esquisito ver suas belas capas de quase 30 cm serem resumidas aos 12 cm dos CDs, mas foi paciente. Sabia que voltaria, mais cedo ou mais tarde, assim como no cíclico mercado da moda. Resistiu nas casas de taco de madeira no chão e azulejos antigos, dos mais saudosistas, daqueles que cantam as músicas dos…

15 de dezembro de 2014 /

Bootleg’14 – Outros Críticos Faça o download aqui. A coletânea é organizada através de uma chamada realizada no final de cada ano. Em sua 6ª edição, a Bootleg inclui faixas extras, takes alternativos, gravações caseiras etc. Curadoria: Carlos Gomes Design: Fernanda Maia [email protected]  

30 de abril de 2014 /

TEASER A Noite do Desbunde Elétrico VIII [2014] from Vicioclipes on Vimeo. por Carlos Gomes. A 8ª edição do festival A Noite do Desbunde Elétrico revela o quanto é benéfico que os próprios músicos se organizem em torno de identidades em comum, afirmem uma “marca” perante o público, e nas condições possíveis, se pensarmos na estrutura de palco de todas as edições anteriores, nem sempre favoráveis para a música, mas que aos poucos acaba por alcançar públicos diversos, e nessa…

11 de fevereiro de 2014 /

por Jeder Janotti Jr. Vivemos tempos fugazes em que modismos cults e tendências udigrudis não duram o tempo de um trago. Beto, aquele, ser abjeto e esquivo, que ousou rondar as vidinhas insones das culturas musicais dos arrecifes foi decretado como desaparecido justamente quando é reconhecido pelas decadentes linhas dos jornais locais e nossos maravilhosos festivais. Não me venham com obituários, pois desparecido não é morto. É desabitado. O esfriamento das discussões em torno da tal cena, a dos Betos,…

10 de fevereiro de 2014 /

por Carlos Gomes. Os espaços culturais do Estelita e Boca da Mata reuniram nesse fim de semana um número grande de bandas e artistas, não fosse pela proibição do Som na Rural, na Rua da Aurora, a variedade de propostas e intervenções artísticas teria sido ainda maior. Tratar o Rural-Palco como Rural-Carro, pura e simplesmente, aplicando multa por estar estacionado na calçada, sem perceber o contexto cultural, o simbolismo que envolve essa ocupação artística, é mais um dos sintomas que…

6 de fevereiro de 2014 /

por Carlos Gomes. O Festival de Arte Livre Pai da Mata é um monstro, uma sombra, uma bênção cultural que assola anualmente e desconfigura as programações culturais compartimentadas em rótulos, linguagens, cenas, linhas de ação. O Pai da Mata é desterritorializado, esconde-se na mata profunda ameaçada pela especulação e suas mil maneiras de ordenamento. Pai da Mata é selvagem e desordem. O palco para a arte livre é regido pelo conflito saudável de linguagens e artistas. Cabe quase tudo naquele…

31 de outubro de 2013 /

por Carlos Gomes. A partir do próximo domingo, o Boratcho Bar, localizado na Zona Sul do Recife, vai receber uma temporada de apresentações musicais da auto-intitulada Cena Beto, que segundo o release do evento, é formada por “um grupo de músicos, cineastas e produtores culturais que quer mais é tirar o Recife da cara”. Os shows serão em duplas, com músicos “tocando uma a música do outro ou acompanhado o outro tocar, e com um formato mais enxuto. Mais viola,…

16 de agosto de 2013 /

Na segunda edição da indie(gesta) “Caranguejada do Beto”, o músico Ricardo Maia Jr. (Ex-Exus) deu a definição mínima e intensa do que diabos, afinal, seria a cena musical recifense autodenominada Beto: “Uma grande trolagem”. Eu, do lado de minha assumida rabugice, continuo a achar que são um bando de “desterrados”[1], habitantes sonoros do Recife que fogem da maldição da tradição cultural dita autêntica, suposto bom gosto travestido de ecletismo insosso (e sem molho). Foi pensando nisso que andei ruminando uma…

10 de agosto de 2013 /

Angelo Souza resolveu se cercar de canções cronicamente confessionais para estrear com o disco Molho. Sob a alcunha de Graxa, rodeado de amigos-músicos, entre eles D mingus – que trabalhou na co-produção do álbum juntamente com o próprio Graxa –, fez da confissão um método de composição que, em medidas desproporcionais, correria o risco de soar clichê e ultrapassado. Não foi o caso. A habilidade de Graxa em traduzir os pequenos desastres do dia a dia em música fez das…

5 de agosto de 2013 /

A música contemporânea de Pernambuco se caracteriza por apresentar diversas nuances. Algumas dessas formas são legitimadas pelas festas populares, festivais de música, editais promovidos pelo Estado, iniciativa privada e, de certo modo, pela cobertura jornalística privilegiada a alguns desses segmentos. A defesa de território é uma marca inerente à cultura do estado. No entanto, a internet trouxe à tona uma gama de criadores, seja na área artística ou crítica, que atuam de forma caótica para além do mercado oficial. Articular…

29 de julho de 2013 /

Um nome é como um rótulo, serve para pensar quem somos ou quem não somos. Uma definição mínima de identidade é “noção de si”. Já uma cena musical é um grupo de músicos, fãs, produtores e críticos que se jogam em cena, dramatizam, teatralizam esse agir comum.  Não por acaso, músicos de uma cena sem nome, talvez do movimento dos sem cena, buscavam sua autorreferência. Foi com esse propósito, que em torno de uma brincadeira do músico Graxa, que Aninha…

2 de junho de 2013 /

O festival de música Desbunde Elétrico está fora dos padrões. Primeiro, porque parte dos músicos todas as etapas de produção e curadoria do evento. Em sua 7ª edição, a maioria das bandas já percebeu que não basta só fazer música e esperar por convites de festivais ou produtores, é preciso compor em todas as etapas do processo. Ninguém melhor do que o próprio artista para reconhecer em si mesmo as suas capacidades e limitações. O Desbunde Elétrico 2013 foi feito…