Sobre a construção de sertões pessoais

 photo OlgaWanderley_zps69a94267.jpg
Foto: Olga Wanderley

Ao ouvir Vermelhas nuvens (2012), segundo álbum do pernambucano Hugo Linns, os diferentes sertões que podem nos habitar se excitam de maneira curiosa. De início, eles já surgem vigorosos e trazem à tona as pequenas referências de Sertão que guardamos, não raro, em cantos meio perdidos da memória: uma viagem de infância, um documentário visto na tevê, um dia de festa num mercado público.

Algo no disco também insinua que os sertões suscitados pela viola dinâmica de Linns têm mais a ver com um significado vasto da palavra (algo como o utilizado por Guimarães Rosa, para quem o Sertão é dentro da gente) do que o de uma geografia física propriamente dita. O instrumento é apresentado pelo artista através de nuances renovadas e provocativas. Disseca o Brasil de dentro pra fora, do interior para o litoral, e também um pouco da gente, num movimento semelhante.

04. Hugo Linns – Escuro Sertão by outros críticos

Linns é um dos nomes da cena contemporânea que se propõem a modernizar a viola dinâmica (ou nordestina, como também é conhecida) através da música instrumental. Sem palavras ou canto, o pernambucano rompe a tradição do instrumento de servir essencialmente como acompanhamento dos versos de cantadores para experimentar suas potencialidades distintas.

Em comparação ao início de seu projeto solo como violeiro – registrado no álbum Fita branca (2009) –, o pernambucano traz em Vermelhas nuvens uma sonoridade mais elaborada, consistente. Como o próprio artista apontou, parte disso se deveu à textura musical que imprimiu à obra com o auxílio de pedais e slides (tubo oco de metal que se acopla ao instrumento).

Josephine by hugolinns

Com formação no Conservatório Pernambucano de Música e na UFPE, Hugo tem como violeiro-referência o serratalhadense Adelmo Arcoverde, com quem tocou por três anos e aprendeu a criar sertões. Os doze temas que constituem seu segundo álbum espelham essa trajetória moldada por emboladas, baiões, cocos e maracatus, mas inovam ao apresentar com sutileza elementos dissonantes do universo roqueiro, com influências de The Doors a Radiohead.

O disco sinaliza, assim, o surgimento de um novo e surpreendente sertão no mapa da música feita em Pernambuco. De asfalto, terra batida ou em outro aspecto geográfico (físico ou emocional), algo é certo: o tanto que existe de Sertão em cada um de nós fica melhor delineado depois de ouvir Hugo Linns.

por Renato Contente.

Publicado originalmente na coletânea no mínimo era isso: 10 bandas, 10 ensaios

Categorias

Renato Contente Escrito por:

Jornalista e mestrando em Comunicação pela UFPE.

seja o primeiro a comentar

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.