Categoria: Download

5 de dezembro de 2013 /

Bootleg’13 – Outros Críticos Faça o download aqui. A coletânea é organizada através de uma chamada realizada no final de cada ano. Em sua quinta edição, a Bootleg inclui faixas extras, takes alternativos, gravações caseiras. Dividida nos lados A e B, a Bootleg’13 reuniu faixas inéditas de artistas pernambucanos, além de gravações de ensaios, ao vivo, versões caseiras e instrumentais de músicos de outros estados, como São Paulo e Rio de Janeiro. Lado A Lado B

11 de novembro de 2013 /

 por Carlos Gomes. A cultura do lançamento de singles tem se transformado com as novas possibilidades de difusão permitidas pela internet. Assim como já tinha ocorrido com os lançamentos dos EPs, geralmente com 4 faixas, muitas bandas e músicos têm recorrido aos singles para manter ativa a produção e divulgação de seus trabalhos. Recentemente, as bandas Constantina, de Minas Gerais, e Prototipo Dub, de Pernambuco, soltaram novos singles em suas páginas do Soundcloud. Para marcar a comemoração pelos 10 anos de existência,…

11 de setembro de 2013 /

Faça o download da coletânea + ensaios aqui. APRESENTAÇÃO Estamos em Pernambuco, há música, crítica e todos os tipos de desencontros. Os espaços de escuta estão escassos. Como sempre, cenas culturais deglutindo e implodindo gerações. Umas após as outras. Os meios impressos não criam mais tensões, mas circulam sobrevivendo entre os escombros. Há um sorriso terno na boca do artista. O Estado controla, ou melhor, procura controlar, catalogar, filtrar e editar a criação. A arte resiste a isso tudo, é…

4 de setembro de 2013 /

O metal não negocia sutilezas. Nessa trilha, o disco Foda-se (2013) é um manifesto sonoro, uma maçaroca Death/Trash que faz com que o corpo do ouvinte não diferencie mais percepção interna e externa do som. Não dá para ouvir de outro modo se não entregando-se à música sem notar o que é “entorno” e o que é corpo. Ouvindo no headphone ou no som de casa perde-se a noção de música e barulho. O som da banda Desalma pode ser…

10 de agosto de 2013 /

Angelo Souza resolveu se cercar de canções cronicamente confessionais para estrear com o disco Molho. Sob a alcunha de Graxa, rodeado de amigos-músicos, entre eles D mingus – que trabalhou na co-produção do álbum juntamente com o próprio Graxa –, fez da confissão um método de composição que, em medidas desproporcionais, correria o risco de soar clichê e ultrapassado. Não foi o caso. A habilidade de Graxa em traduzir os pequenos desastres do dia a dia em música fez das…

8 de agosto de 2013 /

A banda Ex-exus sempre teve a subversão como alicerce na produção de suas obras, fossem elas canções, vídeos, fotografias ou suas performáticas apresentações musicais. Não consigo ouvir o primeiro disco dos Ex-exus, Xô, sem pensar na Comuna Experimental (depois rebatizada Comuna) e no disco JMB em Comuna. As canções de Xô são desenvolvimentos desses trabalhos, porém, com outros filtros estéticos a dominar o ambiente de criação. A teoria da carnavalização desenvolvida por Bakhtin pode caber como escopo crítico para uma…

3 de agosto de 2013 /

A revista pq? é uma publicação do Outros Críticos. O site está no ar desde 2008 e atua com crítica e produção cultural. Além da revista, também é responsável pelo projeto, de debates e shows, Outros Críticos convidam e pela coletânea musical Bootleg. Faça o download da edição de agosto 2013 aqui.   Ficha técnica: Carlos Gomes: Edição, redação e revisão. Fernanda Maia: Design e diagramação.   Sumário: ENTREVISTAS Diego Albuquerque (Hominis Canidae) Bruno Nogueira COLUNAS Leitmotiven (por Tiago Barros) Estouramos a…

11 de julho de 2013 /

O músico Paulo Paes pôs na estrada a sua inacabada concepção de arte. Reunindo amigos sob a alcunha de Paes, gravou dez canções, algumas lançadas anteriormente em EPs, e trouxe alguns deles para subirem ao palco e darem voz à poética particular de suas músicas. Na formação da banda, Filipe Barros (guitarra e vocais), Rafael Gadelha (baixo), Rapha B. (bateria) e Ana Ghandra (vocais). Sem Despedida (2013) foi gravado no estúdio da universidade Aeso Barros Melo, com produção de Filipe…

9 de julho de 2013 /

Há uma geração em Recife que parece ter conseguido se livrar da maldição Mangue. Por trás de suas composições não há mais ecos de resgate de tambores, nem conexões pop-cult-cabeça com a nova MPB. Esse caminho sonoro engloba propostas diferenciadas e de diferentes matizes, não parece haver unidades ou centros a não ser o agrupamento de gente que quer fazer música e, na maioria dos casos, Rock. Uma das pontes que parece mais interessante para seguir esse caminho não passa…

17 de junho de 2013 /

A voz não é linguagem, ela é considerada por muitos, em alguns aspectos, um sine qua non da linguagem e base do discurso (reator da palavra-discurso). Michel Foucault sempre nos aponta as consequências de certas interdições discursivas que acompanham a voz, como a palavra do louco que, até o fim do século XVIII, não podia circular como a dos outros e, por isso, era deixada de fora do círculo de debates sociais e ainda hoje é interdita. Existir necessita voz…

10 de junho de 2013 /

D MinGus parecia ser um dos mais talentosos músicos autores da nova geração na qual se insere o Desbunde Elétrico, formalmente – se que é que podemos usar essa palavra no contexto; Cena Beto, intimamente. Digo parecia, porque se existia alguma dúvida em relação a isso, acredito que tenha sido sanada com Fricção (2013), seu mais novo álbum. Do primeiro disco, mais ligado ao rock, passando pelo segundo, mais folk, o músico agora utiliza mais elementos da música eletrônica, fazendo uma…

10 de junho de 2013 /

“A vida é uma história contada por um idiota, cheia de som e fúria, significando nada” – Shakespeare (Macbeth) uma quase-alergia à carne e uma angústia descomunal e poética. ao falar sobre mentiras e sobre os efeitos das palavras no aparelho subjetivo de cada um, Jair Naves desnuda discursos em E Você Se Sente Numa Cela Escura, Planejando A Sua Fuga, Cavando O Chão Com As Próprias Unhas (2012) e mostra um pouco da sua visão do mundo. depois do EP Araguari, Jair vai além e…

7 de junho de 2013 /

Em 1921, Paul Válery escreve “Eupalinos ou o arquiteto”, para a revista Architetures, onde aproxima filosoficamente música e arquitetura. O espectro do Sócrates valeryano discursa e dialoga com Fedro sobre como a música, da mesma forma que a arquitetura (ou vice-versa), nos envolve de forma completa, tomando-nos todos os sentidos. Elevando assim a arquitetura ao patamar de arte espiritual e diferenciando-a da pintura e da escultura. Reelaborando assim a hierarquia das artes até então vigente (como aponta Guilherme Wisnik). Motivo (2012), primeiro…