alexandre frança – a gente não tá de brincadeira

em 2003 a cena musical e artística belo horizontina foi convocada a se manifestar através do lançamento do álbum-manifesto “a outra cidade”, de kristoff silva, pablo castro e makely ka, agora é o poeta, músico e compositor alexandre frança quem homenageia e chama às armas toda a geração atual de curitiba no melhor estilo de uma brincadeira séria.

a canção “a gente não tá de brincadeira”, autoria do próprio alexandre frança e que conta com a participação de uyara torrente e luiz felipe leprevost, é quase uma enciclopédia da produção curitibana e desenha a trajetória dessa cena com nomes de peso da antiga e nova geração, indicando um seguir adiante, um desenvolvimento que dialoga com a tradição sem torná-la um molde.

aqui alexandre atua como cronista e nos conta um pouco das pulsões que movimentam curitiba, dos parceiros e artistas que enchem de vida a cidade, da derrocada da indústria fonográfica, do significado e qualidade do que lá vem sendo produzido.

a efervescente cena teatral do núcleo de dramaturgia do sesi, com as dramáticas do transumano do diretor e dramaturgo roberto alvim e que revelou gente como martina sohn fischer, don correa, andrew knoll e o próprio alexandre frança que acaba de estrear a peça “grimorium” no club noir, é apenas um exemplo (escolhido por mim pelo fato de ser o assunto que me sinto mais ou menos habilitado a falar) de catalisador para esse “movimento”, que gravita em torno de tantas potências e de tantos lugares – de uma verdadeira esquizofrenia deleuzeana – que é difícil delimitar exatamente de onde vem e pra onde vai. mas o fato é que sabemos que veio de um lugar no tempo-espaço e que segue também em direção a algum lugar: no entanto esses lugares nos aparecem borrados, indefinidos, sem contornos claros, e é exatamente aí que reside o tesão da coisa toda.

por Jocê Rodrigues.

Foto de capa: Arquivo

Share Button

Categorias

Jocê Rodrigues Escrito por:

Jornalista, escritor e poeta, autor dos livros "As Máquinas de Deus" (ed. Multifoco) e "Luna: o canto que também provoca maremoto".

5 Comentários

  1. 15 de março de 2013
    Responder

    Enciclopédia musical curitibana? Que absurdo!!! Vc, que escreveu o texto é mais uma jornalista sem personalidade e conhecimento nenhum. A música é quase uma promoção de uma panelinha de músicos sem graça e elevação dos amigos mais próximos, é realmente a cara de Curitiba, deveria chamar-se ” Nós estamos de brincadeira”, isso sim.

    • 16 de março de 2013
      Responder

      Se eu ouvir a resposta musical de um grupo maior que esta panela, a canção terá provocado algo de muito valor. Senão, você está completamente enganado.

  2. 17 de março de 2013
    Responder

    Sinto vergonha desse clipe. Artistas sem talento e técnica nenhuma. Cancionistas de prédio, só imagem, músicas cênicas com melodias ruins e letras idens, de todas as canções que tenho ouvido pouquíssimas tem alguma qualidade musical, o resto é esse “Tum pá pá”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.