Tag: cinema

25 de maio de 2017 /

Uma fotografia, feita em 1865, retrata o jovem Lewis Payne. Ele tentara assassinar o Secretário de Estado dos Estados Unidos, W. H. Seward. O fotógrafo Alexander Gardner encontrou Payne algemado na cela, aguardando o momento em que seria enforcado. Sobre ela, Roland Barthes escreveu: “Eu leio ao mesmo tempo: isso vai acontecer e isso já aconteceu”. O estupor: Payne vai…

Leia MaisQuantas vezes o cinema há de morrer?

1 de abril de 2017 /

Me pediram para escrever um ensaio para essa tão ilustre edição #12 da revista Outros Críticos, mas não qualquer ensaio, um texto que verse sobre a “arte” e|na|pela|pra “periferia”, uma vez que não poderia ter sido escrito por outra jornalista. Desejo então falar do meu lugar próprio, meu lugar de fala sem subterfúgios  ─ mesmo não estando em casa agora,…

Leia MaisRezo pelo dia em que “presídio” saia do vocabulário da periferia

17 de março de 2017 /

A mais bela frase já pichada num muro é a seguinte: “Sous les pavés, la plage.” É como dizer: o mais belo plano do cinema é aquele do varal de roupas balançando no vento em Ordet, de Dreyer. Ou que a coisa mais linda feita com tintas foi a tela Sobre a cidade (1924), de Marc Chagall. Ou que nada,…

Leia MaisA beleza, essa coisa subversiva

1 de fevereiro de 2017 /

No lugar de fazer uma mera adaptação do cinema para a literatura, os cineastas Marcelo Gomes e Karim Aïnouz criaram uma nova obra ao transportar para o papel o conteúdo do filme Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo. O livro homônimo é um objeto dotado de linguagem própria, que combina fotografias (e “frames”), palavras e um projeto gráfico editorial…

Leia Maissertões, paisagens e poéticas em ‘Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo’

20 de dezembro de 2016 /

Durante a infância, por algum motivo eu tinha pânico de seres do outro planeta. Não consigo dar uma definitiva resposta sobre o motivo disto. Talvez tenha sido a influêcia de algum filme, algo impróprio para minha idade. Lembro de ter assistido, na TV, o clássico Alien, de Ridley Scott, quando criança, durante férias da família em uma praia sergipana. Aquilo…

Leia MaisGatos e Alienígenas

22 de novembro de 2016 /

Jonathas de Andrade está cada vez mais ligado ao cinema. O artista alagoano, que vive e trabalha no Recife, já realizou cinco filmes e quer entrar no circuito de festivais, depois de já ter consolidado espaço em bienais, galerias e museus. Apresentado na Bienal de São Paulo em 2016, o média-metragem ‘O Peixe’ retrata um fictício ritual de abraço e…

Leia MaisJonathas e o cinema

6 de setembro de 2016 /

Nos últimos 20 anos, entre Baile perfumado (1996) e Aquarius (2016), diferentes teorias têm surgido para tentar explicar o êxito do cinema pernambucano nos maiores festivais de cinema nacionais e internacionais. Mesmo que os filmes produzidos no estado ainda não tenham alcançado um sucesso absoluto nas bilheterias, é inegável a contribuição estética e a originalidade das obras, respaldas pela crítica…

Leia MaisMitos e hipóteses sobre filmes de um centro periférico

17 de abril de 2015 /

Enjaulado, Baile Perfumado, Amarelo Manga e Tatuagem são os únicos filmes pernambucanos cujas trilhas sonoras foram lançadas em CD. As músicas de todos os outros curtas e longas-metragens só foram escutadas por quem os viu (salvo exceções de lançamentos na internet). Existe, portanto, uma considerável produção musical de Pernambuco que se encontra inacessível e representa uma espécie de linha do…

Leia MaisVestígios Sonoros do Cinema Pernambucano

9 de agosto de 2014 /

por josé juva. É difícil imaginar os percursos, recepções e desdobramentos que os textos tomarão. Muitos gatilhos podem desencadear a escrita. Outros fatores entrarão em jogo para a circulação e fruição, fatores que escapam com mais força das tentativas de orientação por parte do autor. Nunca sabemos aonde um texto vai chegar, o caminho de que olhos cruzará, quais as…

Leia MaisBreve Breu – escritos sobre literatura e cinema

28 de agosto de 2013 /

Quando Cecília se encontra na difícil tarefa de escolher entre realidade e a ilusão, ao se defrontar com seus amores imaginários no filme A Rosa Púrpura do Cairo (1985), do diretor Woody Allen, a moça estabelece o limiar entre ficção e vida real: são, os filmes, o escape da Grande Depressão de 1929 ou da sua depressão, advinda da normalidade…

Leia Maiscuradoria em cinema: Cinefilia como cura do dia a dia

2 de julho de 2013 /

Neste sábado (06/07), acontece no Museu Murilo La Greca a segunda edição do Cineclube Toca o Terror, o primeiro do gênero no Recife. A sessão com a mostra de curtas nacionais e internacionais começa a partir das 16h com entrada gratuita. Dentre os curtas a serem exibidos estão “Brutal Relax” (Espanha, 2010), “Lollipop” (Russia, 2009), “Vincent” (EUA, 1982) e os…

Leia MaisToca o Terror e O Recife Assombrado no Museu Murilo La Greca