Outros Críticos Publicações

23 de abril de 2017 /

As 12 edições da revista Outros Críticos estão disponíveis para download gratuito no nosso site. Reunimos todas as edições pelos anos de publicação. Ano I (2014) – Acesse aqui. Ano II (2015) – Acesse aqui. Ano III (2016) – Acesse aqui. As versões impressas podem ser adquiridas em loja.outroscriticos.com, com entrega para todo o país. Em breve traremos novidades sobre…

Leia MaisTodas as edições da revista Outros Críticos para download gratuito

20 de abril de 2017 /

Este texto é o primeiro de uma série de oito artigos que propõem o levantamento de uma discografia da música produzida por compositores e intérpretes nordestinos, partindo da fase inicial da indústria fonográfica brasileira, em 1902, e chegando até o final do século XX. Não se trata de uma lista de “melhores discos”, nem mesmo de uma discografia técnica e…

Leia MaisPor uma discografia nordestina: 1902-1919

19 de abril de 2017 /

CAMINHAR* A arte seria garantia de sanidade? Desculpe-me, madame Bourgeois, não estou certa disso. A vida, e a espécie humana herdeira de emanações interestelares, precede a arte. Pois, se a arte é via para bem-estar e alívio imediato, é também indício da existência limitada em que nos metemos. Parece simpática, e lógica, a ideia de que toda prática artística tenha…

Leia MaisPequeníssimo manual para sobreviventes artistas sem obras

1 de abril de 2017 /

Me pediram para escrever um ensaio para essa tão ilustre edição #12 da revista Outros Críticos, mas não qualquer ensaio, um texto que verse sobre a “arte” e|na|pela|pra “periferia”, uma vez que não poderia ter sido escrito por outra jornalista. Desejo então falar do meu lugar próprio, meu lugar de fala sem subterfúgios  ─ mesmo não estando em casa agora,…

Leia MaisRezo pelo dia em que “presídio” saia do vocabulário da periferia

24 de março de 2017 /

estava estudando as culturas aborígenes e fiz o meu primeiro didjeridu com um amigo, aqui em casa mesmo. daí fui me interessando pelas histórias das culturas em relação aos instrumentos musicais e fui colecionando contos e mitologias que sempre remetem a uma coisa superior, mágica, ou a criação de alguma coisa. eu sinto que a música tem esse lado de…

Leia Maisom #3 victor aya, o som e a consagração da natureza

21 de março de 2017 /

Boa noite pra quem chegou Boa noite pra quem vai chegar Peço licença ao senhor Dono desta casa pra poder entrar Alegria e gratidão de fazer parte desse espaço que faz um contraponto fundamental nos atuais dias de golpe da nossa nação. O que normalmente registro em palavras escritas está muito ligado ao meu movimento pessoal e ao meu momento…

Leia MaisA gente se encontra na rua

17 de março de 2017 /

A mais bela frase já pichada num muro é a seguinte: “Sous les pavés, la plage.” É como dizer: o mais belo plano do cinema é aquele do varal de roupas balançando no vento em Ordet, de Dreyer. Ou que a coisa mais linda feita com tintas foi a tela Sobre a cidade (1924), de Marc Chagall. Ou que nada,…

Leia MaisA beleza, essa coisa subversiva

12 de março de 2017 /

(Parti faz 30 anos, fui Desmesura em tudo e sigo incomodando) Muito contentemente inauguro este espaço de diálogo na Outros Críticos, uma iniciativa que acompanhei e admirei desde o início. Compor este time, então, é uma festa. E para principiar, então, não podia deixar de falar desta verdadeira obsessão que tem sido estudar, completam-se agora por dezessete anos, o universo…

Leia MaisMuito prazer, Copi!

11 de março de 2017 /

De tempos em tempos um antigo questionamento nos assombra (como os sons da casa à noite quando estamos sozinhos): de que forma podemos compreender o nosso tempo presente, com que ferramentas conceituais, que instrumentos podemos lançar mão para dar conta da complexidade de fenômenos que somados, costurados, entretecidos e sobrepostos compõem o que percebemos como nossa realidade? Com essa intenção…

Leia MaisO que pode o corpo – Parte I

6 de março de 2017 /

Quem deu a ordem para a PM apreender os adereços da troça Empatando Tua Vista? O grupo de cantorxs, compositorxs e instrumentistas cantando “Morrer em Pernambuco”, de Juliano Holanda, durante o encerramento da apresentação de Flaira Ferro e Wassab no Festival Rec-Beat, no Cais da Alfândega, demonstra que é possível manter-se coletivamente como vozes estéticas e políticas atuantes, sem necessariamente…

Leia MaisMorrer, empatar, cantar, politicar

14 de fevereiro de 2017 /

Eu pensei em propor um diálogo aberto com este texto; e, por isso, eu o entendo como uma continuidade de conversas que venho tendo com diversas pessoas e a possibilidade das reflexões serem desdobradas no futuro – inclusive, repensando pontos e abrindo a alma para recuar em alguma coisa dita. Contudo, como conversa que a gente pega pelo caminho, engata…

Leia MaisSomos um terreno permeado de

10 de fevereiro de 2017 /

O Grupo Bongar é formado por Guitinho da Xambá (voz principal e pandeiro), Memé da Xambá (congas, ilú, pandeiro, gonguê e vocal), Nino da Xambá (alfaia, abê, ilú, pandeiro e vocal), Beto da Xambá (pandeiro, ganzá, gonguê, ilú e vocal) Thúlio da Xambá (caixa, alfaia, ilú e segunda voz) e Neta da Xambá (abê, pandeiro, gonguê, ilú, alfaia e vocal).…

Leia Maisentrevista: Grupo Bongar

8 de fevereiro de 2017 /

morrer como quem é um recorte de verso, uma vaguidão possível de ser preenchida por marchas, frevos, vozes, coro, dicções, sotaques ou movimentos de corpos. canções políticas no carnaval, nas rádios, ruas, vídeos compartilhados – gravados em câmeras baratas ou celular – podem significar que a voz embargada deva significar um pouco mais que o silêncio. essa resistência através da…

Leia Maismorrer em pernambuco, juliano holanda