Categoria: Coluna

14 de agosto de 2017 /

JUNTAR* O artista sem obras atua, em constante estudo e autodesignação, dentro de uma concepção de arte que tende a se perder quando extrapola seus limites, levando a preencher consigo mesmo nosso mundo. Trata-se de uma abordagem de arte, e de artista, que encara e manipula a tensão que engloba o trágico da vida cotidiana e suas potencialidades; que se…

Leia MaisPequeníssimo Manual Para Sobreviventes Artistas Sem Obras

30 de junho de 2017 /

Em 1922, com a chegada dos Turunas Pernambucanos à cidade do Rio de Janeiro, inicia-se a segunda onda de música nordestina a tomar conta do Sudeste do país: uma consequência direta do sucesso e influência de artistas como João Pernambuco e Catulo da Paixão Cearense no ambiente cultural carioca, desde a primeira metade dos anos 1910. O auge desta onda…

Leia MaisPor uma discografia nordestina: 1920-1927

22 de junho de 2017 /

Tom Jobim e Vinicius de Moraes compuseram A Felicidade, especialmente para a trilha sonora de Orfeu Negro, filme do diretor francês Marcel Camus lançado em 1959, premiado com a Palma de Ouro em Cannes e com o Oscar de melhor filme estrangeiro. Segundo Ruy Castro em Chega de Saudade, seu livro sobre a história da bossa nova, a canção foi…

Leia MaisFelicidade sim, a grande invenção do carnaval

5 de junho de 2017 /

As tradições populares surgem para atender necessidades fundamentais daqueles que delas participam. Se formatam pelos repetitivos fazeres ao longo do tempo e guardam preciosos princípios que, no meu entender, estão intimamente conectados com os princípios que regem a natureza. O que me leva a óbvia, mas também esquecida e negligenciada constatação de que nós, seres humanos, também somos natureza. Esse…

Leia MaisA gente se encontra na pulsação

25 de maio de 2017 /

Uma fotografia, feita em 1865, retrata o jovem Lewis Payne. Ele tentara assassinar o Secretário de Estado dos Estados Unidos, W. H. Seward. O fotógrafo Alexander Gardner encontrou Payne algemado na cela, aguardando o momento em que seria enforcado. Sobre ela, Roland Barthes escreveu: “Eu leio ao mesmo tempo: isso vai acontecer e isso já aconteceu”. O estupor: Payne vai…

Leia MaisQuantas vezes o cinema há de morrer?

4 de maio de 2017 /

Difícil principiar esta escrita, já tantas vezes enunciada e materializada em fala nas tantas situações de sala de aula, de elucubrações de boteco; nas discussões após apresentações de trabalhos em congressos acadêmicos e bate-papos após espetáculos teatrais. E me delongo neste introito justamente para ganhar tempo e, quem sabe, alguma maior disposição do leitor (Afinal: “palavras sedutoras/ são caminho/ de…

Leia MaisA Teoria é uma ficção do pensamento

25 de abril de 2017 /

Sambas Do Absurdo é o resultado do encontro de três artistas centrais na música popular brasileira contemporânea, cada um deles, a seu modo, renovadores da linguagem da canção em nosso país. De modo esquemático, identificarei assim o papel de cada um neste trabalho: o compositor Rodrigo Campos, o produtor Gui Amabis e a intérprete Juçara Marçal. Criadores de muitos recursos,…

Leia MaisManhã sem serventia

24 de março de 2017 /

estava estudando as culturas aborígenes e fiz o meu primeiro didjeridu com um amigo, aqui em casa mesmo. daí fui me interessando pelas histórias das culturas em relação aos instrumentos musicais e fui colecionando contos e mitologias que sempre remetem a uma coisa superior, mágica, ou a criação de alguma coisa. eu sinto que a música tem esse lado de…

Leia Maisom #3 victor aya, o som e a consagração da natureza

21 de março de 2017 /

Boa noite pra quem chegou Boa noite pra quem vai chegar Peço licença ao senhor Dono desta casa pra poder entrar Alegria e gratidão de fazer parte desse espaço que faz um contraponto fundamental nos atuais dias de golpe da nossa nação. O que normalmente registro em palavras escritas está muito ligado ao meu movimento pessoal e ao meu momento…

Leia MaisA gente se encontra na rua

17 de março de 2017 /

A mais bela frase já pichada num muro é a seguinte: “Sous les pavés, la plage.” É como dizer: o mais belo plano do cinema é aquele do varal de roupas balançando no vento em Ordet, de Dreyer. Ou que a coisa mais linda feita com tintas foi a tela Sobre a cidade (1924), de Marc Chagall. Ou que nada,…

Leia MaisA beleza, essa coisa subversiva

12 de março de 2017 /

(Parti faz 30 anos, fui Desmesura em tudo e sigo incomodando) Muito contentemente inauguro este espaço de diálogo na Outros Críticos, uma iniciativa que acompanhei e admirei desde o início. Compor este time, então, é uma festa. E para principiar, então, não podia deixar de falar desta verdadeira obsessão que tem sido estudar, completam-se agora por dezessete anos, o universo…

Leia MaisMuito prazer, Copi!

11 de março de 2017 /

De tempos em tempos um antigo questionamento nos assombra (como os sons da casa à noite quando estamos sozinhos): de que forma podemos compreender o nosso tempo presente, com que ferramentas conceituais, que instrumentos podemos lançar mão para dar conta da complexidade de fenômenos que somados, costurados, entretecidos e sobrepostos compõem o que percebemos como nossa realidade? Com essa intenção…

Leia MaisO que pode o corpo – Parte I

1 de fevereiro de 2017 /

No lugar de fazer uma mera adaptação do cinema para a literatura, os cineastas Marcelo Gomes e Karim Aïnouz criaram uma nova obra ao transportar para o papel o conteúdo do filme Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo. O livro homônimo é um objeto dotado de linguagem própria, que combina fotografias (e “frames”), palavras e um projeto gráfico editorial…

Leia Maissertões, paisagens e poéticas em ‘Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo’